Berço das águas

   Apesar de ser rotineiramente taxado como um bioma seco, o Cerrado contribui significativamente com oito das doze regiões hidrográficas do país, sendo responsável por mais de 70% da vazão de algumas delas. Além do potencial hídrico superficial, o Cerrado está em uma região de aquíferos importantes como o Sistema Aquífero Guarani (SAG), o maior reservatório transfronteiriço da América do Sul segundo a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

    A maior parte do Cerrado está situada no Planalto Central brasileiro, região de elevadas altitudes localizada no centro do país. Essas características tornam possível o "efeito guarda-chuva". Imagine a água caindo no topo de um guarda-chuva e escorrendo para as laterais: é basicamente isso que acontece no Cerrado distribuindo a água da chuva que cai aqui pelos quatro cantos do país. Outra analogia possível é a da Caixa d’água, já que a maior parte da água que cai no Cerrado não escorre direto para os rios, mas é estocada embaixo da terra! As raízes profundas das árvores do Cerrado, associadas às características físicas do solo, tornam possível a rápida drenagem superficial da água das chuvas. Essa água infiltra entre os grãos que compõem o solo até as camadas mais profundas, formando o chamado lençol freático, enquanto o lençol artesiano é formado pela água que infiltra entre fissuras e poros das rochas que se encontram abaixo do solo. Assim são formados importantes aquíferos, reservatórios de água subterrâneos, como o Guarani, Bambuí e Urucuia que alimentam as nascentes e olhos d’água durante todo o ano e impedem que os rios sequem no período da seca.

Mapa Bacias hidrográficas, berço das águas está em perigo. Disponível em  

https://www.sindaen.org.br/2018/04/04/o-berco-das-aguas-esta-em-perigo/

   A contribuição direta dos recursos hídricos originados no território do Cerrado varia entre 3,8% para a região hidrográfica Amazônica e 105% na região hidrográfica Parnaíba, o que mostra a forte dependência hidrológica de algumas regiões brasileiras em relação ao bioma Cerrado. A porcentagem acima de 100 significa que a perda de água nessas regiões é maior do que a produção, reforçando a necessidade de abastecimento externo. Sobre os recursos hídricos subterrâneos, estima-se que o aquífero Guarani, um dos abastecidos pelas águas que caem no Cerrado, seria suficiente para abastecer, por um ano, duas vezes e meia a população brasileira, a um consumo médio diário per capita de 250 litros de água (ANA, 2010). 


   Por causa da altitude, é importante considerar que não só a quantidade, mas a qualidade da água do Cerrado reflete em todo o país. Impactos negativos em nossos recursos hídricos como a contaminação por produtos químicos e metais pesados provindos da agropecuária, indústrias e mineração, podem afetar grande parte do território brasileiro. Além da importância para o consumo, vale destacar que parte significativa da energia elétrica gerada no Brasil é a partir de recursos hídricos e com forte participação de bacias que possuem nascentes no Cerrado, como a do Paraná, São Francisco e Tocantins. Nove a cada dez brasileiros consomem energia que provém de usinas alimentadas por águas nascidas nesse bioma (WWF, 2019).

Referências:

Lima, J.E.F.W.; Silva, E.M. Estimativa da contribuição hídrica superficial do Cerrado para as grandes regiões hidrográficas brasileiras. In: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2007, São Paulo: ABRH, 2007
Lima, J.E.F.W.; Situação e perspectivas sobre as águas do cerrado. Cienc. Culto., São Paulo, v. 63, n. 3, pág. 27-29, 2011
ANA. "Aquífero Guarani, o gigante subterrâneo". Agência Nacional de Águas. 2010

   Contato    

  • Nosso canal YouTube
  • Nossa página no Facebook
  • Nosso Instagram